Skip to content

Os bonzinhos só se dão mal? Não necessariamente!

outubro 31, 2010

Texto de Thiago Perin

“Só me ferro”

Bonzinho só se dá mal? Você mesmo já deve ter soltado essa várias vezes (talvez, trocando o “se dá mal” por algo mais acalorado – normal). Mas sabe essa coisa de se sentir o eterno loser por ser o “nice guy”? Está errada. (A tal máxima, “nice guys finish last”, é atribuída a um treinador de baseball norte-americano, Leo Durocher, que teria dito sobre o time adversário, em 1939: “Olhe para eles! São todos bons rapazes, mas vão terminar por último. Bons rapazes. Terminam por último.”)

Pesquisadores da Universidade do Texas, em Arlington (EUA), dizem que ser bonzinho é,surpreendentemente, bom – pode confiar! “A cultura popular descreve o ’ser bonzinho’ como uma desvantagem social. Mas pesquisas apontam que a agradabilidade está associada a uma série de vantagens”, contam.

Segundo os especialistas, ser um “nice guy” leva a amizades de melhor qualidadetorna a pessoa um pai (ou mãe) melhormelhora a performance acadêmicaprofissional e ainda dá um gás na saúde. O argumento do estudo é que ser bonzinho, ao contrário do que a gente costuma pensar, não é o mesmo que ser facilmente influenciável, nem algo causado por “desejabilidade social” (quando você tenta agradar os outros para ser aceito). “A agradabilidade pode ser o caminho para garantir relações interpessoais duradouras, felicidade, sucesso e bem-estar”. Viu? É ciência.

Fonte: superinteressante

Mais uma vez, a ciência comprova o que de alguma forma todos nós já sabíamos, o bem sempre vale a pena, mas infelizmente, muitas vezes, escolhemos o caminho que parece mais fácil, e que de alguma forma macula nossa conduta, e quando percebemos estamos habituados com as práticas torpes.

O nosso maior exemplo de práticas e vida dedicada para o bem é o próprio Cristo, entrando ele foi crucificado, mas a morte de Cristo não interrompe sua missão, nem a ressurreição foi seu triunfo final, de modo que devemos praticar o bem e quando formos crucificados por isso, precisamos manter o foco, pois em breve veremos quanto valeu a pena ter  uma vida dedicada ao que é bom. Mateus 5: 1 – 10

Anúncios

Bocão no Guinness

outubro 29, 2010

Angolano conseguiu esticar a mandíbula até 17 centímetros. Recordista de 20 anos encaixou uma lata de refrigerante na boca.
Um angolano de 20 anos ganhou um registro no livro de recordes Guinness após ter a boca esticada até 17 centímetros de comprimento. Francisco Domingo Joaquim conseguiu encaixar, inclusive, uma lata de refrigerante na boca. Segundo juízes do livro, esse é o maior registro do mundo. O recordista diz que ficou famoso depois de ter mostrado o seu feito para o mundo. Joaquim, também conhecido como “Mandíbula do Terror”, apareceu recentemente em um programa de TV italiano.

Fonte: G1.com

O Controle da Mente

outubro 28, 2010

Por Emmanoel Jetro

Já há algum tempo tem sido lançado documentários com temas que eu os categorizaria como extremamente polêmicos, pois se trata de temas como a imortalidade, invisibilidade e controle da mente. Gostaria de abordar e trazer algumas reflexões que julgo pertinentes no que está relacionado ao controle da mente.

Segundo o History channel já existem em testes hoje, chips que são implantados no cérebro e simplesmente fazem chamadas telefônicas e executam alguns comandos só com o pensamento. Por outro lado estão desenvolvendo também tecnologias que pode detectar previamente se um terrorista tentar fazer um ataque. Muitas outras utilidades são encontradas pela ciência pra desenvolver tecnologias desse tipo, mas alguns questionamentos saltam na minha mente e me fazem refletir, a que isso nos levará e em que nos transformará?

Umas das características mais comuns do homem é sua inclinação para o mal, desde o inicio do que nos conhecemos das primeiras civilizações, vemos um histórico terrível de gana por poder e dominação do próximo. Nos dias atuais essa característica se torna cada vez mais aguda, as provas são as instituições secretas de espionagens e métodos psicológicos e bem elaborados de interrogatórios que são testados em campos de guerras e que de alguma forma chegam às áreas civis que teve seu crescimento e aprimoramento durante a guerra fria.

A ciência diz que estas tecnologias servem pra ajudar a prever ataques, mas se cair em mãos erradas? Sabemos que o mercado negro tem muito dinheiro e não o economiza para investir no que lhes é proveitoso.

A ciência apresenta algumas tecnologias como um artifício para ajudar o homem em suas atividades e comodidade (fazer chamadas telefônicas e etc.), mas até onde nós estamos dispostos a nos anular como seres humanos individuais em nome da comodidade?

Em que isso de fato nos ajudará?

Será que é de fato necessário?

Vale o preço de perdermos o que nos resta de característica pessoal (os pensamentos) por um sistema que não criamos e de alguma forma nos é imposto em nome da segurança mundial?

Até que ponto os terroristas e outros criminosos são tão perigosos para precisarmos de armas desse tipo?

Quais os prejuízos de toda essa tecnologia e as pessoas têm noção do que isso significa?

Estas são algumas questões para refletirmos, mesmo embora (no meu porto de vista) não temos muito a fazer.

Hoje não existem quase barreiras entre a ficção e a realidade, e cada vez mais elas se confundem.

 

Diretas já?

outubro 24, 2010

 

Por Dayvid de Vasconcelos

Enquanto o segundo turno não chega, cadê as propostas?, há tempos todo mundo enxerga que propaganda de político se faz com a desgraça do outro, é assim que decidimos nosso voto há muito tempo, porém o que acontece hoje é diferente, a brincadeira é, quem provar qual é o mais sujo ganha, ganha?
É incrível nossa capacidade de escolha, um já tá todo melado, a outra nem tanto, lógico, um escudo como o lula não é pra qualquer um, e a pergunta gira: em quem votar?
A falta de escolha implica numa outra escolha ” é certo votar errado? é errado votar em branco? se deu branco eu voto em quem? ” bem pra dá branco vai ser difícil porque a coisa tá preta, nos resta acreditar que o certo é errar por menos, já que não errar é uma opção nula, vixe, deixa pra lá.
O que não vale é ficar em cima do muro, vote consciente, sua escolha faz parte do meu futuro.

Dayvid é um amigo andeiro e está começando seu blog Imagem & Palavra

Graças a Deus

outubro 22, 2010

fonte: braziu.org

vi no http://www.pavablog.com/

DEUS: ÚNICO E ONIPRESENTE

outubro 21, 2010

Por Eva Torres

VIVEMOS SOB O JULGO DO AGORA, DO MOMENTO, ENQUANTO ISSO, NOS ESQUECEMOS DO QUANTO NECESSITAMOS DA PRESENÇA DE DEUS EM NOSSAS VIDAS.

HÁ QUEM O CLASSIFIQUE DE ACORDO COM O CREDO RELIGIOSO, OUTROS O VÊM COMO UM SER INEXISTENTE, NÃO DANDO IMPORTÂNCIA ALGUMA A SUA DIVINDADE.

NÃO IMPORTA REALMENTE A FORMA COMO VOCÊ O OBSERVA, ELE É SOBERANO, O QUE VALE DE FATO É O QUE VOCÊ FAZ, É A FORMA COMO VOCÊ TRATA O SEU PRÓXIMO, É O QUE PENSA DO SEU COMPANHEIRO QUE VOCÊ MAL O CONHECE.

QUANDO TRATAMOS BEM SEM VER A QUEM, QUANDO ESTENDEMOS NOSSAS MÃOS AOS DESAMPARADOS E NECESSITADOS, QUANDO ABDICAMOS NOSSAS VIDAS PARA CUIDAR DE OUTRAS, QUANDO OFERECEMOS UM SIMPLES ABRAÇO, MAS COM SINCERIDADE E AFETO A QUEM NUNCA TEVE ESSA ATENÇÃO E LEVAMOS A ESTE PRÓXIMO O DIREITO DE SORRIR E SE SENTIR AMADO, É DEUS OPERANDO AO NOSSO LADO.

DEUS É UM SÓ QUE AGE NAS MAIS DIVERSAS PESSOAS, POIS SOMOS INSTRUMENTOS DE BARRO E A CADA ATO, A CADA OBRA REALIZADA, VISANDO A FÉ E A CARIDADE, É DEUS SE MANIFESTANDO SEM OLHAR O LUGAR NEM A CIDADE.

SIGA SEMPRE SORRINDO, DEUS ESTÁ CONTIGO NESTE MOMENTO.

 

Mina de Palito

outubro 21, 2010

Americano de Iowa (EUA) construiu replica da mina de Tirith com palitos de fósforos.

Patrick Acton (Foto: Reprodução/Daily Telegraph)

O americano Patrick Acton, de 57 construiu uma gigantesca replica das minas de Tirith, famosa mina que está na obra Senhor dos Anéis do escritor, professor e filósofo John Ronald Reuel Tolkien.

Acton utilizou 420 mil palitos de fósforos na construção da mina e levou 3.000 horas para completar a obra que tem 2,4 metros de altura por 2,4 metros de cumprimento.

É de fato impressionante a capacidade de alguns seres humanos pra criar e construir coisas que parecem extremamente difíceis, com certeza é exemplos de objetividade e persistência. Isso me faz lembra o que sempre é dito por médicos no mundo todo “o homem não usa todos os seus neurônios” e que com um pouco mais de esforço poderíamos utilizar toda esta nossa potencialidade com coisas que realmente valem pra nossa vida e de nosso próximo.